Carro novo ou por assinatura? Confira as opções para compra

Muita gente fica em dúvida na hora de adquirir um veículo, afinal existem diversas opções disponíveis no mercado - à vista, financiado, via consórcio e até por assinatura. Resumidamente, saiba que tudo vai depender da sua saúde financeira e do seu momento de vida.

A gente começa falando sobre uma conhecida expressão em inglês, “cash is king’!  Em português, significa “Dinheiro é Rei”, ou seja, você deve priorizar dinheiro na conta, dinheiro em caixa e, se possível, aplicado. Portanto, para quem tem boa reserva financeira, dedicar uma parte para a compra de um carro à vista tende a ser a melhor alternativa.

Se sua reserva não for tão robusta, tirar recursos da aplicação e se descapitalizar pode não ser uma boa ideia. Afinal, ter dinheiro disponível para honrar compromissos ou usar em situações de emergência é sempre melhor. Neste caso, um financiamento pode fazer todo sentido. Ou, se não existir pressa, uma carta de consórcio, que tem juros bem inferiores e ainda dá para dar um lance para ser contemplado antecipadamente.

Uma novidade são os carros por assinatura, que vêm conquistando o público que não gosta de pensar em manutenções, seguro, licenciamento e toda a agenda de um proprietário de veículo. Um modelo praticado há muitos anos por locadoras de automóveis, no “rent a car” de longos períodos para o mundo corporativo, e por bancos, no quase extinto formato leasing.

Nos últimos anos as montadoras também passaram a praticar essa modalidade que, resumidamente, permite a utilização de um carro sem que você precise pensar em nada. Suas despesas serão com uma mensalidade e o abastecimento. E claro, ter os cuidados como se o carro fosse de sua propriedade. Mas será que a assinatura vale mesmo a pena?

Confira a seguir algumas vantagens para o assinante:

  • Não arca com a desvalorização do veículo na hora da troca;
  • Não paga juros de financiamento;
  • Não se preocupa com IPVA, licenciamento, seguro ou revisões;
  • Tem sempre um carro na garagem e um reserva em situações de oficina;
  • Com parcelas fixas, tem mais facilidade para optar por um modelo superior;
  • Pode aplicar o dinheiro do valor do carro e gerar renda.

E, do outro lado da moeda, as desvantagens:

  • Ao final da assinatura, o carro não será seu, ou seja, não há carro na garagem para revenda ou troca;
  • Paga-se por um bem que não é seu;
  • Quilometragem limitada mensalmente. Se extrapolada, multa ou valor extra;
  • A longo prazo (3 a 4 anos), sai mais caro que comprar à vista.

Para muni-lo ainda mais de informações para esta decisão, saiba que se você optar pelo financiamento de mais que 80% do valor do carro, o volume de juros que vai pagar no final do período de contrato lhe permite comprar mais de um carro. Portanto, nesse caso faz sentido um consórcio ou uma assinatura.

E, se você tem como dar uma entrada maior, ou até mesmo pagar à vista, não esqueça de agregar os custos adicionais de propriedade do carro, considerar a desvalorização do bem e comparar com a assinatura.