Sensores automotivos: Proteção do motorista

Carros. Uma das maiores e mais incríveis invenções do mundo moderno; talvez até mais importantes do que a própria roda. Nos levam do ponto A ao C, com escala no ponto B em minutos, às vezes segundos, encurtando distâncias, aproximando pessoas, conectando vidas e histórias.
 

Mas os carros podem ser motivo de estresse para aqueles que não têm noção espacial tão acurada, ou mesmo para os que não se sentem tão livres ou confortáveis em ter o controle total de uma máquina que se movimenta por aí, ainda por cima com velocidade.
 

Antigamente, um carro dependia única e exclusivamente de seu condutor e, ao aprender a dirigir, nada causava mais medo do que a famosa “baliza”. Nos dias de hoje, e com a velocidade da tecnologia, os sensores automotivos ficam cada vez mais em evidência, como um verdadeiro copiloto para motoristas experientes, novatos e outros não tão bons assim. Vamos conhecer algumas dessas novidades?
 

O sensor de estacionamento (para balizas) é um dos mais procurados, é claro, mas não apenas como auxiliares. Muitos sensores podem salvar vidas como, por exemplo, os detectores de faixa, ou aqueles que podem simplesmente frear um carro em movimento caso o veículo detecte um perigo eminente de colisão.
 

Outros sensores, mais simples, conectam seu carro a um smartphone. Com isso, você tem total controle do que precisa ser checado ou trocado em seu veículo por meio de um toque na tela do celular.
 

No futuro, os sensores serão capazes de conduzir carros de forma autônoma e nós da Estapar entendemos a importância dessas iniciativas para reforçar a segurança dos motoristas e, sobretudo, garantir maior qualidade de vida nos centros urbanos. Será que estamos próximos de sermos apenas passageiros de nossas viagens?