Grandes fabricantes de automóveis estão apostando alto em veículos elétricos

Da GM e Geely a Mitsubishi e a Mercedes, os gigantes da indústria estão fazendo plantas battery-powered


Durante os anos 1900, um a cada três carros circulando em estradas americanas funcionou em volts. Então o petróleo começou a jorrar do Texas. Mais barato do que baterias, e mais fácil de completar, a gasolina impulsionou o surgimento de automóveis produzidos em massa. O custo e as preocupações com relação sobre a escala limitada mantiveram veículos elétricos (EVs) em um nicho desde então. Tesla, que tornou a bateria mais sexy novamente na última década, produziu apenas 250 mil unidades no ano passado, uma fração do que a Volkswagen ou Toyota fabricam anualmente. Para cada um dos 2 milhões de EVs e híbridos plug-in, que combinam baterias e motores de combustão interna (ICEs), vendidos em 2018, os fabricantes de automóveis do mundo alteram 50 carros a gasolina ou a diesel.

As vendas de veículos elétricos, no entanto, têm acelerado tão rapidamente quanto as dos motores elétricos. Alguns especialistas da indústria consideram que estes serão responsáveis por quase 15% do total global até 2025. De acordo com a consultoria Bloomberg New Energy, até lá, um em cada cinco carros novos na China estará rodando com baterias. A principal razão de tais previsões otimistas não parecer mais estranha é a entrada na corrida elétrica dos gigantes da indústria automobilística. Uma pesquisa realizada em janeiro, pela Reuters reportou que o total de gastos relacionados aos veículos elétricos previstos pelo setor em todo o mundo (incluindo baterias) será de cerca de US$300 bilhões nos próximos cinco a dez anos. Da GM e Geely a Mercedes e Nissan, grandes fabricantes de automóveis, todas querem alterar milhões de carros - e lucrar com isso. Suas estratégias variam de cautelosa a audaciosa.

Fazer uma produção em massa rentável de EV provou ser elusivo. Um powertrain da bateria pode ser três vezes o preço de um ICE. Porém, a combinação de alta tecnologia e grande escala pode em breve permitir que EVs concorram em preço com veículos a gasolina, permitindo que motoristas dirijam longas distâncias sem se preocupar em esvaziar o tanque.

As preocupações com a mudança climática e a poluição atmosférica estão levando autoridades de todo o mundo a considerar a eliminação progressiva de novos motores a gasolina e a diesel na próxima década. Na ausência de regulamentos federais na administração do presidente americano, Donald Trump, algumas cidades de estados mais progressistas estão endurecendo as leis locais. Fiat acaba de concordar em pagar a Tesla centenas de milhões de euros para contar a marca californiana como parte de sua frota, e, assim, evitar multas exorbitantes por exceder a média permitida para as montadoras de emissões de CO2 que entram em vigor na União Europeia no próximo ano. Na China, onde metade dos EVs do mundo já estão vendidos, o governo vê a eletrificação do transporte como uma forma de combater a asfixia urbana sufocante - e para ultrapassar tecnologicamente o Ocidente.

Este artigo foi publicado na Seção de Negócios da edição impressa da The Economist com o título "Carregando à frente"

 

Tendência Estapar

A Estapar estuda, cada vez mais, as principais tendências mundiais em eletrificação e veículos elétricos, pois sabe como esses dois nichos farão parte da sociedade e serão peças fundamentais para o segmento de Mobilidade Urbana.